sexta-feira, 2 de março de 2018

REDENÇÃO A PARTIR DA RENDIÇÃO



por Delmo Fonseca

“Pela revelação nós conhecemos a Deus; pela rendição conhecemos seus caminhos” - Watchman Nee

Se você aprendeu que o ato de adorar a Deus se restringe a cantar na igreja, esqueça. Para entendermos a essência da adoração devemos reler o diálogo entre Jesus e a mulher samaritana: “Nossos antepassados adoraram neste monte, mas vocês, judeus, dizem que Jerusalém é o lugar onde se deve adorar. Jesus declarou: Creia em mim, mulher: está próxima a hora em que vocês não adorarão o Pai nem neste monte, nem em Jerusalém. Vocês, samaritanos, adoram o que não conhecem; nós adoramos o que conhecemos, pois a salvação vem dos judeus. No entanto, está chegando a hora, e de fato já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade. São estes os adoradores que o Pai procura. Deus é espírito, e é necessário que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade" (Jo 4.20-24).

O que faz um adorador? Prostra-se. O que faz um verdadeiro adorador? Prostra-se somente diante daquele que é digno de receber toda honra e glória: o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. O apóstolo Pedro nos ensina: "Humilhai-vos sob a poderosa mão de Deus, para que ele a seu tempo vos exalte." (I Pd. 5.6). O verdadeiro adorador se inclina, aproxima seu rosto do pó e reconhece sua miserabilidade. Em outras palavras, prostrar-se é render-se. A rendição consiste numa entrega plena, numa atitude de não resistência. Veja este exemplo: a rendição de um malfeitor é acompanhada de uma demonstração de entrega total. Este se ajoelha e coloca as mãos sobre a cabeça ou deita-se com o rosto voltado para o chão e mãos para trás. Esta atitude demonstra uma não resistência.

De igual modo, quando nos prostramos diante de Deus, demonstramos que nosso coração está rendido à sua vontade, não há resistência alguma de nossa parte. Um coração resistente não está apto a servir a Deus, ao contrário, sempre se mostrará rebelde. É importante frisar que a natureza humana dificilmente se submeterá à vontade de Deus, logo só é possível servi-lo em espírito. “A mentalidade da carne é morte, mas a mentalidade do Espírito é vida e paz; a mentalidade da carne é inimiga de Deus porque não se submete à lei de Deus, nem pode fazê-lo” (Rm 8.6-7). Os verdadeiros adoradores são os que se rendem a Deus, os que não resistem ao Espírito Santo.

A mulher samaritana não resistiu ao chamado de Jesus: "Senhor, dê-me dessa água, para que eu não tenha mais sede, nem precise voltar aqui para tirar água" (Jo 4.15). A partir do exemplo desta mulher podemos perceber que a água da vida é um privilégio dos adoradores. Os que se curvam diante de outros deuses e bebem de outras fontes nunca se saciam, mas os que se prostram diante de Jesus, os que se rendem ao seu chamado experimentam uma vida abundante: “... quem beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede. Pelo contrário, a água que eu lhe der se tornará nele uma fonte de água a jorrar para a vida eterna" (Jo 4.14).

Posto isto, concluímos que a redenção é fruto da rendição, como bem observou o salmista: “Não te deleitas em sacrifícios nem te comprazes em oferendas, pois se assim fosse, eu os ofereceria. O verdadeiro e aceitável sacrifício ao Eterno é o coração contrito; um coração quebrantado e arrependido jamais será desprezado por Deus!” (Sl 51.16-17).


Soli Deo Gloria!

Nenhum comentário:

Postar um comentário