segunda-feira, 5 de novembro de 2018

ATÉ AQUI NOS AJUDOU O SENHOR


por Delmo Fonseca |

Tomou, então, Samuel uma pedra, e a pôs entre Mispa e Sem, e lhe chamou Ebenézer, e disse: Até aqui nos ajudou o SENHOR" (1Sm 7:12)

Grandes escritores se notabilizam por conseguirem dar vida a seus personagens, tornando-os tão “reais”, que parecem ter vida própria. A essa arte literária dá-se o nome de verossimilhança. Um dos mais renomados escritores ficcionais brasileiros, certa feita, disse por meio de uma  de suas criaturas: “Viver é muito perigoso... Porque aprender a viver é que é o viver mesmo... Travessia perigosa, mas é a da vida”.

Posto isto, segue-se que refletir a respeito da existência, que precisa ser atravessada, tal como uma ponte ou um deserto, requer coragem, pois viver é extremamente perigoso. E só quem tem coragem encara de frente a realidade do existir, que em essência, é desafiadora. Daí o fato de muitos fugirem e buscarem refúgio nas drogas, no jogo, no álcool, na comida, no sexo, nas compras, na religiosidade, isto é, em tudo que vicia, entorpece e embota os sentidos.

É preciso ter coragem para renunciar aos apelos do mundo, que se recusa a abandonar os que nele se adaptam. Sim, o mundo tende a abraçar a todos que o procura. E mais: o mundo obscurece a todos, pois nele não há luz, somente trevas. A razão de muitos se recusarem a vir para a luz é porque precisarão mostrar suas obras e, nesse caso, não há nada de bom a ser mostrado. “Pois todo aquele que pratica o mal odeia a luz e não se aproxima da luz, temendo que as suas obras sejam expostas. Mas quem pratica a verdade vem para a luz, para que se veja claramente que as suas obras são realizadas em Deus” (Jo 3. 20,21).

Os que são da luz e estão na luz conseguem ver de maneira mais nítida como o mundo funciona. Sabem que o mundo jaz no maligno (1Jo 5.19) e que o mal não descansa. Enganam-se aqueles que pensam que estão isentos de problemas enquanto servem ao Senhor. De modo algum. O inimigo se enfurece e com todos seus ardis parte para o ataque, pois servir a Deus é participar da luz que afugenta as trevas. Veja este exemplo:

A Bíblia registra que enquanto Samuel sacrificava ao Senhor, os filisteus se insurgiram contra Israel. Então o Senhor fez trovejar os céus e os filisteus fugiram amedrontados, sendo perseguidos e derrotados pelos soldados de Israel. "Tomou, então, Samuel uma pedra, e a pôs entre Mispa e Sem, e lhe chamou Ebenézer, e disse: Até aqui nos ajudou o SENHOR" (1Sm 7:12).

A palavra Ebenézer  significa "pedra de ajuda" ou "pedra de socorro”. Num primeiro momento, Israel havia perdido a batalha para os filisteus perto de uma aldeia chama Ebenézer (1Sm 4.1), os quais confiscaram a Arca da Aliança. Mas o problema não estava na força e competência dos filisteus e sim na rebeldia de Israel. Num segundo momento, após o coração do povo ter se voltado para Deus, um novo ataque dos filisteus não surtiu efeito, daí o fato de Samuel ter tomado uma pedra e mostrado ao povo que o Senhor é a verdadeira PEDRA de ajuda ou socorro.

Quando recorremos a Cristo devemos ter em mente que o nosso Salvador é a Pedra Angular do edifício de Deus, a igreja. A verdadeira ebenézer, “pedra de ajuda”, é Cristo. Como igreja somos “edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, sendo o próprio Cristo Jesus a principal pedra angular desse alicerce” (Ef 2.20).

Diante de tantas situações adversas, em muitos casos, a tendência dos que estão na luz é pensar em fugir, tal como expressou Davi: “Quem me dera ter asas de pomba para voar e encontrar um abrigo!” Sim, eu fugiria para longe, para ficar no deserto.…” (Sl 55.6,7). Mas é preciso ter coragem para continuar a travessia.

Embora o mundo seja hostil, encoberto por densas trevas, a igreja foi vocacionada para ser luz. E um luzeiro fincado sobre uma rocha será sempre a referência para quem se põe a caminho do céu, tendo em cada passo a seguinte certeza: “até aqui nos ajudou o Senhor”. E o melhor: sabendo que não se trata de uma ficção. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário